Nace Raposeiras Editorial, sen preconceptos gráficos

Os novos proxectos culturais semellan non esquecer os vínculos naturais entre o galego e o portugués, dun modo útil e libre de preconceptos:

Xirasois Cubistas, 1964 – Marevna

«[…] EDICIÓNS EN DIFERENTES LINGUAS

O noso interese pola edición en diferentes linguas baséase no actual contexto de diglosia. Temos un compromiso co noso idioma, e defendemos a posibilidade de atopar material didáctico e cultural nas diferentes normas do galego, en castelán e en inglés.

Apostamos polo binormativismo

Porque cremos na necesidade de normalizar unha situación que é unha realidade hoxe en día.

Cremos que o galego internacional e o galego RAG deben convivir en igualdade, para iso é preciso a formación e a divulgación da norma AGAL, así coma a súa oficialidade.

Por esta realidade, desde Raposeiras Editorial apostamos por contribuír na divulgación de material didáctico e cultural nas dúas normas […].»

Cf. Wendy Carolina: “Raposeiras vai editar en galego normativo e en reintegrado” (Nós Diario) e web Raposeiras Editorial.

Vítor Vaqueiro: “Há uma tendência a pôr barreiras artificiais ao achegamento ao português”

Vítor Vaqueiro por M. Caeiro (cf. Nós Diario)

«[…] Um linguista muito reconhecido, Miquel Siguán, admite que uma norma se decide por motivos extralinguísticos. É algo convencional. Não sei por que se escolhe uma fórmula como “man” fronte a “mão” quando a segunda é absolutamente maioritária.

Há uma tendência a pôr barreiras artificiais ao achegamento ao português. Eu non falo como uma pessoa de Valença do Minho ou de Coimbra. Há que reivindicar o léxico galego, e depois todo aquilo que exista já em português não temos por que o inventar. Sei que isto traz umas consequências tremendas, porque a editorial na que esteve durante 45 anos nega-me que possa publicar.

Até há uma sentença do Tribunal Superior de Justiça da Galiza dos anos 90 que diz que ninguém pode ser descriminado pela sua forma de escrever, um pleito da universidade de Vigo coa Xunta, que impugna os estatutos desta nos que se admite qualquer grafia. Editoras, prémios, concursos… seguem a ignorar isso […]».

Cf. NÓS DIARIO: Vítor Vaqueiro: “A normativa oficial do galego é um dispositivo de espanholização”

Gonzalo Constenla: Binormativismo ou portugués lingua co-oficial?

Gonzalo Constenla

«Unha lingua estranxeira? A versión internacional do galego? A lingua en que se recoñecerían os nosos tataravós? Unha variante da mesma lingua? O que puido ser e non foi? A versión culta do noso idioma? Unha oportunidade para o galego non morrer? Así pois, o que é o portugués para nós? Depende. Esa podería ser a resposta máis galega. Porque xa se sabe, a nosa psicoloxía nacional non é de brancos e pretos, do si ou do non. É máis do matiz, conformada polo policultivo, a imprevisibilidade do clima e a variedade da paisaxe xeográfica. Non é ou millo ou trigo, mais os dous e outros máis. Nen apenas calor no verán. Nen todo planicie sen outro horizonte. Hai sempre gradación. Unha diferencia, unha reserva, unha variedade. Así somos nós.

[…] Mas o país e o idioma não podem esperar muito mais. As ligações são claras, as vantagens econômicas, linguísticas e culturais são aceites. Os benefícios para o galego demonstrados qualitativa e quantitativamente. Nada e ninguém deve impedir que o que já é normal hoje se torne oficial. Aceitar e formalizar o que um grande número de grupos, empresas e indivíduos já institucionaliza na vida econômica, social e cultural. Por meio de duas normas lingüísticas, como já acontece em outros países, ou pelo status de co-oficialidade do português, com tudo o que isso implica. Se já é no Diario Oficial de Galicia, por que não deveria coexistir em toda parte?».

Cf. Nós Diario