Os documentos que certifican que o galego era a lingua máis importante da Península no século XIII

O Arquivo da Real Academia Galega acaba de completar unha importante incorporación aos seus fondos dixitalizados dispoñibles na Rede. A colección de pergameos da institución, 285 escritos do século XII ao XVIII, inclúe bulas, privilexios reais, foros, doazóns, contratos de compravenda, sentenzas xudiciais e outros manuscritos, de orixe pública e privada, agora dispoñibles para todo o público no Arquivo Dixital de Galicia. A RAG celebra así o Día Internacional dos Arquivos e, nas vésperas desta conmemoración, propón unha viaxe desde academia.gal á Idade Media, guiada polos académicos Pegerto Saavedra e Henrique Monteagudo, a través de dous destes pergameos destacados: o máis antigo da RAG e o máis vello dos escritos en galego da institución.

O 10 de maio de 1259 Sancho Fernández e a súa dona, Maior Fernández, asinaban unha venda de eguas ao mosteiro de Caaveiro. O documento que a recolle é, de todos os pergameos datados da RAG, o máis antigo escrito en galego, nun momento en que a nosa lingua aínda empezaba a consolidarse neste tipo de textos. “Aínda que se conservan uns poucos documentos notariais redactados en galego desde a década de 1230-1240, ata 1250 a lingua que se utilizaba nestes textos era o latín, como na xeneralidade dos escritos, con excepción das cantigas trobadorescas. A partir do ascenso ao trono do rei Afonso X O Sabio (1252) comeza a usarse cada vez máis o galego, pero antes de 1260 os documentos nesta lingua aínda son escasos”, explica o académico Henrique Monteagudo.

Ruben Martins: ‘O galego vai salvar-se no português? A situação linguística na Galiza’

‘Santiago de Compostela ouviu a “Grândola” do Zeca [Afonso] primeiro que todos os outros lugares: a 10 de Maio de 1972, o português José Afonso, que considerava a Galiza a sua “pátria espiritual”, tocou por ali a canção que se tornou num importante símbolo da Revolução de Abril. Hoje, a poucos metros do lugar onde o cantautor apresentou as estrofes «O povo é quem mais ordena dentro de ti, ó cidade», está lá, há pouco mais de uma década, um parque imortalizado com o seu nome. O sentimento de José Afonso pela população que habita no Noroeste peninsular ficou registado num pequeno discurso que fez antes de interpretar “Achégate a mim, maruxa”, a 23 de Fevereiro de 1980, na Sociedade de Instrução e Recreio de Carreço, nos arredores de Viana do Castelo. O espectáculo, gravado em disco, permite-nos recordar cada palavra do que ali se disse há mais de 40 anos: «A Galiza (…) pertence à mesma realidade cultural que Portugal, sobretudo o Norte de Portugal; mas por artes de berliques e berloques, partilhas, lutas entre senhores feudais, hoje existe uma fronteira a separar povos que têm praticamente a mesma língua e que são, aliás, muitíssimo semelhantes, até na sensibilidade. Portanto, os galegos falam galego, ou seja, galaico-português, e não castelhano. Infelizmente, durante a ditadura franquista, tudo foi feito para que os galegos se envergonhassem da língua que falavam”.

Sobre o uso de galego na rúa

Semella que hai trece anos na visión que tiña a xuventude do galego non o incluía como ferramenta para situarse con vantaxe no mundo. Nos últimos anos a Lei Paz Andrade, mellorábel na súa configuración e aínda máis na súa implantación no ensino secundario, non tivo tempo nin recursos para mudar esta situación. Por iso nace a asociación DGAP, para divulgar que o galego é unha plataforma innegábel desde a que estudar portugués e así converter os cidadáns galegos en privilexiados comunicadores no ámbito da lusofonía e da hispanofonía a un tempo. Un recurso desaproveitado desde sempre debido a unha visión empobrecida do que a nosa cultura é.

*

«FICHA DO DOCUMENTÁRIO NO AVG: http://culturagalega.gal/avg/producci…

SINOPSE (GALEGO RAG): En que idioma fala a mocidade e por que? Perduran os estereótipos? Existe conflito por culpa da lingua? Que lle falta ao galego para estar normalizado? Este documentario profundiza na cuestión sociolingüística a través da xente nova, da primeira xeración da historia que tivo o galego como lingua oficial, co convencemento de que as experiencias e opinións desta xeración son a chave para entendermos o estado actual da lingua e os retos para o futuro.

SINOPSE (GALEGO INTERNACIONAL): Em que idioma fala a mocidade e porquê? Perduram os estereótipos? Existe conflito por culpa da língua? Que lhe falta ao galego para estar normalizado? Este documentário profundiza na questom sociolinguística através da gente nova, da primeira geraçom da história que tivo o galego como língua oficial, com o convencimento de que as experiências e opiniões desta geraçom som a chave para entendermos o estado actual da língua e os retos para o futuro.»

Cf. Telegaliza

Samuel Pimenta: «Galego e português: a fala comum»

Samuel Pimenta na Crunha 2016 por Alfredo Ferreiro

Nas viagens que tenho feito pela Galiza, pude confirmar como o reintegracionismo é um movimento sério e sustentado, não apenas através de documentos e do nosso incontornável património cultural – de que são exemplo as cantigas medievais em galaico-português –, mas nas ruas. Hoje assinala-se o Dia da Galiza.

Visitar a Galiza é um reencontro com a matriz da língua que falo. “Aqui ganha-se mais língua”, disse-me um dia a escritora galega Iolanda Aldrei. E logo entendi que se referia à ancestralidade da fala que ambos partilhamos, da cultura que um dia uma fronteira separou e da verdade que ninguém pode negar: é impossível compreender Portugal sem a Galiza, tal como é impossível compreender a Galiza sem Portugal.

O movimento reintegracionista traz alguma luz aos laços de irmandade entre a Galiza e Portugal. O movimento defende que o galego se escreva segundo a grafia histórica, ou seja, como o português, como muito bem o explicou o jornalista Ruben Martins na reportagem do PÚBLICO “O galego vai salvar-se no português?”. Nas viagens que tenho feito pela Galiza, pude confirmar como o reintegracionismo é um movimento sério e sustentado, não apenas através de documentos e do nosso incontornável património cultural – de que são exemplo as cantigas medievais em galaico-português –, mas nas ruas. É uma realidade viva. Basta mergulhar na terra antiga galega para encontrar topónimos que contam a história de como o galego, ou o português, evoluiu ali, e de escutar as gentes a falar.

Se nas cidades é notória a herança da segregação e repressão linguística e cultural promovida até hoje por Espanha, com a imposição do castelhano — havendo já quem não fale galego —, nas aldeias ainda nos podemos maravilhar com as fonéticas das gentes mais antigas, tão próximas do jeito de falar de quem vive no Norte de Portugal e nas Beiras. E apesar do medo que ainda ficou dos tempos do franquismo, em que falar a língua da terra era motivo para perseguição, ainda resistem. Na Galiza ainda se fala a mesma língua que eu falo, apesar de todas as tentativas de eliminar a cultura indígena daquele território. E há muita gente a reivindicá-lo. Dentro e fora da Galiza.

Exemplo disso são os escritores galegos reintegracionistas, cujos livros são escritos tal e qual como nós escrevemos deste lado da fronteira. Procuram eliminar as marcas que a colonização e a segregação castelhana lhes deixaram na língua, por séculos e séculos. Marcas que não são meras escolhas ortográficas inocentes. Representam violência, perseguições, assassinatos e a vontade de eliminar uma cultura e um povo. Não escrevem carballo, mas carvalho. Não escrevem Galícia, mas Galiza. E apesar do trabalho corajoso que têm vindo a levar a cabo, de autêntica restituição da memória da língua, ainda enfrentam muita resistência por parte das instituições, das governamentais às académicas, que continuam a excluí-los por não escreverem no galego dito oficial. Além de haver um grupo maioritário de editoras que os rejeita, ainda estão impedidos de concorrer a diversos prémios literários. Contudo, com a progressiva abertura dos certames literários lusófonos aos escritores galegos, têm conseguido encontrar além-fronteiras o espaço que lhes é negado no seu país, como o escritor Mário J. Herrero Valeiro, que em 2015 venceu o Prémio Literário Glória de Sant’Anna, promovido em Portugal e destinado ao melhor livro de poesia dos países e regiões de língua portuguesa.

Estas lógicas opressivas e intimidatórias, que pretendem isolar os dissidentes, não servem a Galiza, mas o Estado espanhol. Sei como os Estados precisam de mitologias próprias que os justifiquem e legitimem, promovendo discursos que vão ao encontro da supremacia dos impérios. Também sei que os Estados são os primeiros a censurar o que consideram perigoso à ilusão de unidade que querem incutir. E todos os Estados o fazem, de forma mais ou menos evidente. Veja-se o que França fez com o bretão ou com o provençal, por exemplo. Na Galiza, ainda é notória a ferida. Mas os povos nunca precisarão dos Estados para viver. E a Galiza prova-o, pela forma como tem resistido à tirania. Já dizia Afonso Castelão, no seu Alba de Glória: “Afortunadamente, a Galiza conta, para a sua eternidade, com algo mais do que uma história mutilada, conta com uma tradição de valor imponderável, é isso que importa para ganhar o futuro”.

Cf. PúblicoSamuel F. Pimenta Poeta e escritor. Dedica-se ainda à espiritualidade e à promoção dos direitos humanos, LGBTI+ e ambientais – 25 de Julho de 2020

Rosalía Fernández Rial: O galego, lingua ártica

«De que maneira o galego, como lingua “subxacente” e “underground”, nos permite comunicarnos con persoas que falan idiomas que xamais estudamos? Como explica o científico “Modelo do dobre iceberg”, é o coñecemento común dos idiomas diferentes o máis interesante para entendernos e para aprender. E é que no espazo subterráneo do alternativo, do poético e do inconsciente reside sempre o máis atractivo da vida. Tanto nun pub nocturno como no mapa lingüístico mundial. Nese senso, a nosa lingua é latente de todas as demais: temos os subsolos conquistados. Rosalía Fernández Rial (Carballo-Muxía, 1988) é licenciada en filoloxía e Doutora en didáctica das linguas, da literatura e da expresión dramática pola USC. Exerce de profesora de lingua e literatura no ensino secundario; participa en diversos proxectos escénicos interdisciplinares e, sobre todo, escribe. Entre os seus libros destacan títulos como En clave de sol (2009), Átonos (2011), Vinte en escena (2012), Un mar de sensacións (2012), Ningún amante sabe conducir (2014), Contracción (2016) ou o proxecto artístico-pedagóxico “Aulas sen paredes” (2016).»

#LGx15. Ideas para o futuro da lingua. Cf. www.lgx15.gal. Sala Capitol, Santiago de Compostela, 24 de novembro de 2016. Coordinadora de Traballadores/as de Normalización da Lingua (CTNL). www.ctnl.gal

Luís F. Figueiroa: “As nuances do país galego”

«Ouvimos dizer que a língua é a única herança que quanto mais partilharmos mais valor nos devolve a todos. Na Galiza, o português é também a única língua promovida por unanimidade em que se uniram as vontades e identidades diversas do nosso país

Ao contrário do castelhano, o português tem uma capacidade especial em indicar diferentes graus de concordância ou discordância com o posicionamento do interlocutor. Isto tem criado muita confusão a alguns estrangeiros, mas nunca aos japoneses. Estes não apenas “defendem uma inteligente posição neutral”, mas antecipam o que o outro interlocutor pode querer antes de ele falar.

Reparemos no seguinte: quando uma pessoa falante de português está a responder “talvez”, ela poderá eventualmente querer dizer sim, mas muito provavelmente está a dizer-nos “não”, educadamente.

Assim sendo, quando dizemos por exemplo “acho que isto pode vir a acontecer”, um falante de castelhano provavelmente diria “sei que isto vai acontecer”. É uma maneira de nos proteger e proteger também futuras trocas de opiniões dentro das boas maneiras de nos relacionarmos.

Um outro elemento de “proteção” quando não aceitamos aquilo a que nos quer obrigar alguém ou quando nos falam sobre assuntos desagradáveis é o silêncio. É dito que o silêncio é a melhor defesa do camponês.

E a Galiza mergulha a sua cultura na cultura camponesa.

É também dito que um mau pacto é melhor do que pacto nenhum. E quando, por exemplo numa feira, dois negociantes de gado não chegam a acordo, sempre há quem recomende que “partam a diferença” (deixem o preço no ponto meio entre a aposta de um e a petição do outro).

Ernesto Areias: Galego, memória e afeto (II)

Ainda sobre a questão do galego, enquanto variante da língua portuguesa, cumpre acrescentar alguns subsídios de ordem pragmática.

Ernesto-Areias
Ernesto-Areias

Foram, até hoje, identificadas no mundo cerca de onze mil línguas, sabendo-se que muitas são faladas por poucos milhares de pessoas, o que as exclui do estudo e investigação em escolas e universidades. Essa falta de estudo prende-se com razões institucionais e de soberania e, de modo particular, com razões económicas em virtude de estarem fora dos negócios internacionais.

Neste mundo global, onde a comunicação e as pessoas circulam a velocidades nunca antes imaginadas, poderá desenhar-se a tendência para que apenas as cerca de vinte línguas mais expressivas, em termos de negócios, sobrevivam chamando a si a quase totalidade dos falantes.

Esses sinais começam na UNESCO, na ONU e em outros organizações internacionais que definem quais as línguas que são admitidas no seu espaço para comunicar. Por essa razão, os estudiosos apontam para o desaparecimento de mais de metade dessas onze mil línguas até ao final do século. 

É neste enquadramento de esperantização das línguas mais expressivas  – designo esperantização a circunstância de reduzirmos as línguas internacionais e de negócios a cerca de duas dezenas –  coloca desafios urgentes às que têm menos  falantes em termos relativos.

É urgente que as universidades, academias e linguístas cheguem a um acordo sobre o destino que pretendem dar ao galego. Entre a pujança que pode resultar da sua afirmação como variante da língua portuguesa e a agonia lenta resultante da castelhanização em curso, alguma decisão deverá ser tomada.

Sobre os linguístas e académicos cumpre assinalar, que lhes sobeja em sabedoria o que falta, não raro, em pragmatismo quando o tempo urge.

Merecem um profundo respeito a obra literária de Rosalia de Castro, a extensa literatura de língua portuguesa e galega, das mais expressivas do mundo e grandes homens que dedicaram muito do seu esforço e estudo à defesa do galego, como sucedeu com José Luis Rodriguez, Carvalho Calejo e muitos escritores e universitários que tudo têm feito pela cultura galega.

Estamos condenados a destruir as fronteiras medievais criadas por senhores feudais ao sabor de interesses e direitos sobre a terra e os vassalos. Da fronteira que divide Trás-os-Montes e o Minho da Galiza apenas deverá restar a soberania dos países peninsulares, devendo tudo o mais resvalar para um abraço de fraternidade, de partilha entre centros de investigação e universidades, mundo empresarial e inovação.

Quando Miguel Torga referiu no seu Diário “Ai do transmontano que não transformar o pé em garra” aludindo às dificuldades, aos declives e às rugas da terra, não deixou de incluir os galegos e os minhotos com quem partilhamos uma ancestralidade comum.

Esta sim, é a nossa pátria antes da pátria.

Cf. A Voz de Trás os Montes

Ernesto Areias: Galego, memória e afeto (I)

Ernesto Salgado Areias

A leitura de um texto do amigo Alfredo Ferreiro, poeta da Corunha, sobre a afirmação do galego, suscitou-me algumas reflexões.

Em 1887, o médico judeu Ludwik Lejzer Zemenhof criou o Esperanto, língua artificial. Não era sua intenção substituir os outros idiomas, mas antes difundir uma língua franca universal de negócios.

Passado um século e meio o Esperanto não vingou, a meu ver, por três razões: 

Em primeiro lugar, não havia memória da língua. A eufonia do Esperanto era estranha aos candidatos a falantes. A segunda razão por não haver literatura em Esperanto, registo fundamental para a preservação lexical. O terceiro obstáculo tem a ver com a identidade, impossível perante uma língua artificial.

Ora nada disto sucede com o galego, língua centenária que está na origem do português moderno.

Parece-me haver um dilema que terá de ser resolvido pelos galegos, Academias, Universidades, Associações de escritores e pelos falantes da língua, que a usam com amor e pilar de identidade.

Um das opções passa por assumir que o galego é língua portuguesa com variações como existem nos países lusófonos. Falamos hoje no português do Brasil, de Angola, de Cabo Verde… a que podemos acrescentar a variante da Galiza. É esta, grosso modo, a visão dos integracionistas. 

Desta forma, o galego, em vez de confinado a 2,7 milhões de falantes, passará a integrar um espaço linguístico intercontinental com 260 milhões distribuídos por dez milhões de kms 2 onde existe literatura vastíssima.

Uma segunda opção será a castelhanização definitiva do galego com o risco evidente de conversão de uma língua centenária, numa espécie dialectal sem a importância que lhe é devida.

 Falar hoje em sentimentos anti-castelhanos ou anti-espanhóis e anti-portugueses na península Ibérica, é descer às profundezas da alta Idade Média e semear os campos de torneios e lutas entre senhores feudais e os seus vassalos. O bom relacionamento entre Espanha e Portugal, a forma como vivemos as crises, os dramas de um lado e de outro da fronteira, as viagens permanentes e o número crescente de falantes bi-lingues, converte os dois países em irmãos siameses ligados por rios, montanhas e o horizonte sem falar das vias de comunicação.

A importância do Galego, enquanto língua riquíssima, irmanada com o português deve ser objeto de estudo de linguistas, historiadores e académicos em geral, sem a traição de decisões políticas de afirmação de soberania. Como a língua não se impõe por decreto, a palavra dos falantes é fundamental.

Mas o estigma e a supressão curricular de uma língua esses sim, conseguem-se por decreto.

Matar uma língua equivale a matar a memória do povo; uma espécie de genocídio da memória e da cultura.

Cf. A Voz de Trás os Montes

Marco Neves: “Falsos amigos galegos (para maiores de 18)”

MARCO NEVES

«Vou dar três exemplos de falsos amigos galego-portugueses. Começo no «labrego», avanço pelo «grelo» e acabo nos perigos que se escondem na palavra «bico»…

Muitos de nós conhecemos as palavras que nos enganam por serem demasiado parecidas. São os falsos amigos. Mesmo dentro de cada língua há muitas armadilhas: basta tentar usar «rapariga» ou «puto» no Brasil, só para dar dois exemplos (e nem me atrevo a falar do «gozar»). Às vezes, até entre regiões do mesmo país há destes desaguisados.

Ora, há um tipo de falsos amigos pouco conhecido por cá. São os falsos amigos galegos. Afinal, o galego é a língua mais próxima do português — havendo muitos galegos que não se importam nada de afirmar, bem alto, que galego e português nem sequer são línguas diferentes. Os palavrões são quase iguais…

Próximos como estão, não há que admirar que haja uns quantos falsos amigos…

«Labrego»

O primeiro falso amigo é muito inocente. Longe de ser para maiores de 18, é para todas as idades. A verdade é que é difícil encontrar portugueses que não se riam quando descobrem que, na Galiza, existe um Sindicato Labrego Galego.

Sim, um labrego, na Galiza, é apenas e só um lavrador. Já um labrego, em Portugal, até pode ser um lavrador — mas também há labregos fechados em escritórios ou vestidos de fato inteiro. Não consta que, por cá, se tenham organizado num sindicato.

A origem da palavra é a mesma — mas as palavras dão guinadas e, de repente, o que é banal em certo sítio é um insulto um pouco mais abaixo…

«Grelo»

A história ficou famosa, pelo menos entre quem liga a estas coisas. O município galego das Pontes promove anualmente um festival do grelo. Nada contra: comer verduras faz bem e um festival deste tipo só pode ser coisa boa.

O festival é coisa em grande, pois até tem um website — compreende-se que o município tenha decidido traduzir o tal website para espanhol a partir do original galego.

Abrande agora o leitor, como fazem tantos condutores ao passar por um acidente. Pois aquilo que aconteceu foi um autêntico acidente de tradução. Com feridos graves!

O nome do festival — ou da feira — era bastante claro em galego: «Feira do grelo».

Já a tradução para espanhol ficou, no website, com este lindo aspecto: «Feria clítoris».

Não contente, o texto continuava: «El clítoris es uno de los productos típicos de la cocina gallega.» — o que, imagino, deve surpreender bastante os peregrinos que chegam a Santiago…

O que se passou?

Bem, o município decidiu poupar na tradução (ah, não faça isso!) e foi ao nosso amigo Google Translate […]».

Cf. 24Sapo