Samuel Pimenta: «Galego e português: a fala comum»

Samuel Pimenta na Crunha 2016 por Alfredo Ferreiro

Nas viagens que tenho feito pela Galiza, pude confirmar como o reintegracionismo é um movimento sério e sustentado, não apenas através de documentos e do nosso incontornável património cultural – de que são exemplo as cantigas medievais em galaico-português –, mas nas ruas. Hoje assinala-se o Dia da Galiza.

Visitar a Galiza é um reencontro com a matriz da língua que falo. “Aqui ganha-se mais língua”, disse-me um dia a escritora galega Iolanda Aldrei. E logo entendi que se referia à ancestralidade da fala que ambos partilhamos, da cultura que um dia uma fronteira separou e da verdade que ninguém pode negar: é impossível compreender Portugal sem a Galiza, tal como é impossível compreender a Galiza sem Portugal.

O movimento reintegracionista traz alguma luz aos laços de irmandade entre a Galiza e Portugal. O movimento defende que o galego se escreva segundo a grafia histórica, ou seja, como o português, como muito bem o explicou o jornalista Ruben Martins na reportagem do PÚBLICO “O galego vai salvar-se no português?”. Nas viagens que tenho feito pela Galiza, pude confirmar como o reintegracionismo é um movimento sério e sustentado, não apenas através de documentos e do nosso incontornável património cultural – de que são exemplo as cantigas medievais em galaico-português –, mas nas ruas. É uma realidade viva. Basta mergulhar na terra antiga galega para encontrar topónimos que contam a história de como o galego, ou o português, evoluiu ali, e de escutar as gentes a falar.

Se nas cidades é notória a herança da segregação e repressão linguística e cultural promovida até hoje por Espanha, com a imposição do castelhano — havendo já quem não fale galego —, nas aldeias ainda nos podemos maravilhar com as fonéticas das gentes mais antigas, tão próximas do jeito de falar de quem vive no Norte de Portugal e nas Beiras. E apesar do medo que ainda ficou dos tempos do franquismo, em que falar a língua da terra era motivo para perseguição, ainda resistem. Na Galiza ainda se fala a mesma língua que eu falo, apesar de todas as tentativas de eliminar a cultura indígena daquele território. E há muita gente a reivindicá-lo. Dentro e fora da Galiza.

Exemplo disso são os escritores galegos reintegracionistas, cujos livros são escritos tal e qual como nós escrevemos deste lado da fronteira. Procuram eliminar as marcas que a colonização e a segregação castelhana lhes deixaram na língua, por séculos e séculos. Marcas que não são meras escolhas ortográficas inocentes. Representam violência, perseguições, assassinatos e a vontade de eliminar uma cultura e um povo. Não escrevem carballo, mas carvalho. Não escrevem Galícia, mas Galiza. E apesar do trabalho corajoso que têm vindo a levar a cabo, de autêntica restituição da memória da língua, ainda enfrentam muita resistência por parte das instituições, das governamentais às académicas, que continuam a excluí-los por não escreverem no galego dito oficial. Além de haver um grupo maioritário de editoras que os rejeita, ainda estão impedidos de concorrer a diversos prémios literários. Contudo, com a progressiva abertura dos certames literários lusófonos aos escritores galegos, têm conseguido encontrar além-fronteiras o espaço que lhes é negado no seu país, como o escritor Mário J. Herrero Valeiro, que em 2015 venceu o Prémio Literário Glória de Sant’Anna, promovido em Portugal e destinado ao melhor livro de poesia dos países e regiões de língua portuguesa.

Estas lógicas opressivas e intimidatórias, que pretendem isolar os dissidentes, não servem a Galiza, mas o Estado espanhol. Sei como os Estados precisam de mitologias próprias que os justifiquem e legitimem, promovendo discursos que vão ao encontro da supremacia dos impérios. Também sei que os Estados são os primeiros a censurar o que consideram perigoso à ilusão de unidade que querem incutir. E todos os Estados o fazem, de forma mais ou menos evidente. Veja-se o que França fez com o bretão ou com o provençal, por exemplo. Na Galiza, ainda é notória a ferida. Mas os povos nunca precisarão dos Estados para viver. E a Galiza prova-o, pela forma como tem resistido à tirania. Já dizia Afonso Castelão, no seu Alba de Glória: “Afortunadamente, a Galiza conta, para a sua eternidade, com algo mais do que uma história mutilada, conta com uma tradição de valor imponderável, é isso que importa para ganhar o futuro”.

Cf. PúblicoSamuel F. Pimenta Poeta e escritor. Dedica-se ainda à espiritualidade e à promoção dos direitos humanos, LGBTI+ e ambientais – 25 de Julho de 2020

Rosalía Fernández Rial: O galego, lingua ártica

«De que maneira o galego, como lingua “subxacente” e “underground”, nos permite comunicarnos con persoas que falan idiomas que xamais estudamos? Como explica o científico “Modelo do dobre iceberg”, é o coñecemento común dos idiomas diferentes o máis interesante para entendernos e para aprender. E é que no espazo subterráneo do alternativo, do poético e do inconsciente reside sempre o máis atractivo da vida. Tanto nun pub nocturno como no mapa lingüístico mundial. Nese senso, a nosa lingua é latente de todas as demais: temos os subsolos conquistados. Rosalía Fernández Rial (Carballo-Muxía, 1988) é licenciada en filoloxía e Doutora en didáctica das linguas, da literatura e da expresión dramática pola USC. Exerce de profesora de lingua e literatura no ensino secundario; participa en diversos proxectos escénicos interdisciplinares e, sobre todo, escribe. Entre os seus libros destacan títulos como En clave de sol (2009), Átonos (2011), Vinte en escena (2012), Un mar de sensacións (2012), Ningún amante sabe conducir (2014), Contracción (2016) ou o proxecto artístico-pedagóxico “Aulas sen paredes” (2016).»

#LGx15. Ideas para o futuro da lingua. Cf. www.lgx15.gal. Sala Capitol, Santiago de Compostela, 24 de novembro de 2016. Coordinadora de Traballadores/as de Normalización da Lingua (CTNL). www.ctnl.gal

Ana Pontón: “O português deve ser umha matéria a ofertar de maneira obrigatória em todos os centros”

Cf. Portal Galego da Língua

[…] De chegar à presidência da Junta, como pensa desenvolver a Lei Paz Andrade?

Em primeiro lugar dotando a lei de orçamento. Ao longo destes anos o governo do Partido Popular nom dotou de recursos económicos a Lei Paz Andrade e isso fijo, junto com a falta de impulso político, que o seu cumprimento e desenvolvimento fosse pírrico em todos os ámbitos. Aí estám os dados de alunado que estuda português no nosso país depois de seis anos da aprovaçom da lei para o corroborar. Para o BNG há dous planos fundamentais sobre os que atuar. Em primeiro lugar, o ámbito educativo através da convocatória de vagas de português com caráter progressivo e continuo nas ofertas públicas de emprego que permitam criar um corpo docente estável, igual que acontece noutras línguas. E em segundo lugar, a política exterior. Galiza tem que impulsionar de maneira formal e séria a sua candidatura para se incorporar à Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Contempla avanços concretos para a introduçom do português no ensino formal?

Com certeza, achamos que é o alicerce fundamental para o cumprimento e desenvolvimento da Lei Paz Andrade.   É inadmisível o que estivo a acontecer nestes anos, que dependa do voluntarismo do professorado, especialmente de galego, que se oferte ou nom a matéria nos centros educativos. No programa eleitoral do BNG, já em 2016 e de novo nestas eleiçons de 2020, incluímos que o português deve ser umha matéria a ofertar de maneira obrigatória em todos os centros e o Governo galego deve impulsionar campanhas de difusom e promoçom da aprendizagem entre as ANPAs e o alunado para estimular as matrículas ou, quando menos, dar a conhecer a possibilidade de estudar português, algo que nom fijo o Partido Popular em todos estes anos.

Considera avançar para a integraçom oficial na CPLP?

Para o BNG a incorporaçom da Galiza à CPLP é umha questom estratégica nom só do ponto de vista linguístico e cultural –que também– mas político-diplomático, comercial e económico. A lusofonia abre ao nosso país imensas possibilidades, este é um fator fundamental a desenvolver da Lei Paz Andrade. Mas para isso é preciso desenhar umha política de açom exterior galega, própria, e ter um governo decidido a situar o nosso país no seu espaço natural, sem intermediaçons. Para isso, no BNG acreditamos que é fundamental constituír um grupo de trabalho multidisciplinar encarregado de traçar umha folha de rota clara e ambiciosa sobre os objetivos e potencialidades de Galiza no seo da CPLP.

Um grupo que deve liderar a Xunta (com todos os seus departamentos) mas do que tenhem que participar outros agentes, entidades, coletivos, instituiçons e organizaçons suscetíveis de contribuír ao desenho desse projeto estratégico. Que oportunidades abre para o setor pesqueiro galego a entrada de Galiza à CPLP? De que maneira podemos aproveitar essas oportunidades? Com que objetivos vamos trabalhar? E o mais importante, de que maneira devemos trabalhar para ter éxito? Ponho o exemplo pesqueiro por dizer um, porém, há muitos mais. Essas som algumhas das perguntas para as que devemos ter respostas antes mesmo de incorporar-nos à CPLP. Isso exige planificaçom estratégica e umha folha de rota clara.

Avançará-se para a emissom das televisons portuguesas na Galiza?

É o nosso compromisso e nom é novo. O BNG defendeu em reiteradas ocasons no Congreso espanhol esta questom, pois depende do governo central a sua regulaçom. Neste sentido, no acordo de investidura arrincado polo BNG inclui-se como ponto específico a receçom na Galiza das rádios e televisons de Portugal. Mas no referido ao ámbito comunicativo e de criación cultural é preciso ir além disso e promover umha política cultural que tenha a lusofonía –nom apenas Portugal– mui presente como umha oportunidade para tecer sinergias entre criadoras e criadores, temos ademais exemplos ben interessantes das imensas possibilidades que existem como o Ari[t]mar e Cantos na Maré ou co-produçons participadas pola CRTVG. Isso também contribuirá ao processo de normalizaçom da língua galega, a rachar estereotipos, prejuízos sobre nós mesmas. O galego conécta-nos com mais de 200 milhóns de pessoas em todo o mundo e isso evidência que Galiza é centro, nom periferia.

Que opina da proposta reintegracionista de avançar para um modelo binormatista? Em que medida e prazos pensa que se poderia concretar?

O BNG nom tem umha posiçom adotada ao respeito.

Como valora a homenagem a Carvalho Calero este ano, pensa que pode servir-nos para reconsiderar a orientaçom da língua?

O reconhecimento a Carvalho Calero em 2020 é um ato de justiza. Resulta bastante incomprensível que nom tivesse acontecido antes, sem desmerecer em nenhum caso as demais pessoas homenageadas. Carvalho foi reconhecido como Filho Ilustre de Galiza no Parlamento galego, instituiçom que, por certo, custodia a sua biblioteca e arquivo pessoal graças ao ingente trabalho da companheira e professora Pilar García Negro. Acho que este 2020 é umha oportunidade de ouro para conhecer e reconhecer a sua figura, a sua obra e o o seu pensamento, também a respeito da língua.

[Este questionário foi respostado por escrito na normativa da RAG e adaptado ortograficamente para o reintegrado polo PGL]

Cf. Portal Galego da Língua

Luís F. Figueiroa: “As nuances do país galego”

«Ouvimos dizer que a língua é a única herança que quanto mais partilharmos mais valor nos devolve a todos. Na Galiza, o português é também a única língua promovida por unanimidade em que se uniram as vontades e identidades diversas do nosso país

Ao contrário do castelhano, o português tem uma capacidade especial em indicar diferentes graus de concordância ou discordância com o posicionamento do interlocutor. Isto tem criado muita confusão a alguns estrangeiros, mas nunca aos japoneses. Estes não apenas “defendem uma inteligente posição neutral”, mas antecipam o que o outro interlocutor pode querer antes de ele falar.

Reparemos no seguinte: quando uma pessoa falante de português está a responder “talvez”, ela poderá eventualmente querer dizer sim, mas muito provavelmente está a dizer-nos “não”, educadamente.

Assim sendo, quando dizemos por exemplo “acho que isto pode vir a acontecer”, um falante de castelhano provavelmente diria “sei que isto vai acontecer”. É uma maneira de nos proteger e proteger também futuras trocas de opiniões dentro das boas maneiras de nos relacionarmos.

Um outro elemento de “proteção” quando não aceitamos aquilo a que nos quer obrigar alguém ou quando nos falam sobre assuntos desagradáveis é o silêncio. É dito que o silêncio é a melhor defesa do camponês.

E a Galiza mergulha a sua cultura na cultura camponesa.

É também dito que um mau pacto é melhor do que pacto nenhum. E quando, por exemplo numa feira, dois negociantes de gado não chegam a acordo, sempre há quem recomende que “partam a diferença” (deixem o preço no ponto meio entre a aposta de um e a petição do outro).

Ernesto Areias: Galego, memória e afeto (II)

Ainda sobre a questão do galego, enquanto variante da língua portuguesa, cumpre acrescentar alguns subsídios de ordem pragmática.

Ernesto-Areias
Ernesto-Areias

Foram, até hoje, identificadas no mundo cerca de onze mil línguas, sabendo-se que muitas são faladas por poucos milhares de pessoas, o que as exclui do estudo e investigação em escolas e universidades. Essa falta de estudo prende-se com razões institucionais e de soberania e, de modo particular, com razões económicas em virtude de estarem fora dos negócios internacionais.

Neste mundo global, onde a comunicação e as pessoas circulam a velocidades nunca antes imaginadas, poderá desenhar-se a tendência para que apenas as cerca de vinte línguas mais expressivas, em termos de negócios, sobrevivam chamando a si a quase totalidade dos falantes.

Esses sinais começam na UNESCO, na ONU e em outros organizações internacionais que definem quais as línguas que são admitidas no seu espaço para comunicar. Por essa razão, os estudiosos apontam para o desaparecimento de mais de metade dessas onze mil línguas até ao final do século. 

É neste enquadramento de esperantização das línguas mais expressivas  – designo esperantização a circunstância de reduzirmos as línguas internacionais e de negócios a cerca de duas dezenas –  coloca desafios urgentes às que têm menos  falantes em termos relativos.

É urgente que as universidades, academias e linguístas cheguem a um acordo sobre o destino que pretendem dar ao galego. Entre a pujança que pode resultar da sua afirmação como variante da língua portuguesa e a agonia lenta resultante da castelhanização em curso, alguma decisão deverá ser tomada.

Sobre os linguístas e académicos cumpre assinalar, que lhes sobeja em sabedoria o que falta, não raro, em pragmatismo quando o tempo urge.

Merecem um profundo respeito a obra literária de Rosalia de Castro, a extensa literatura de língua portuguesa e galega, das mais expressivas do mundo e grandes homens que dedicaram muito do seu esforço e estudo à defesa do galego, como sucedeu com José Luis Rodriguez, Carvalho Calejo e muitos escritores e universitários que tudo têm feito pela cultura galega.

Estamos condenados a destruir as fronteiras medievais criadas por senhores feudais ao sabor de interesses e direitos sobre a terra e os vassalos. Da fronteira que divide Trás-os-Montes e o Minho da Galiza apenas deverá restar a soberania dos países peninsulares, devendo tudo o mais resvalar para um abraço de fraternidade, de partilha entre centros de investigação e universidades, mundo empresarial e inovação.

Quando Miguel Torga referiu no seu Diário “Ai do transmontano que não transformar o pé em garra” aludindo às dificuldades, aos declives e às rugas da terra, não deixou de incluir os galegos e os minhotos com quem partilhamos uma ancestralidade comum.

Esta sim, é a nossa pátria antes da pátria.

Cf. A Voz de Trás os Montes

Bieito Romero: Cabo Verde

«No ano 2006 cando coñecín Cabo Verde e dende aqueles días, a súa lembranza quedou fermosamente gravada na miña memoria. Saímos da Coruña en bus ata o aeroporto Francisco Sâ Carneiro de Porto e dende alí voamos ata a illa de Sâo Vicente onde está situado o aeroporto Cesária Évora.

Wikipedia: CC BY-SA 2.1 es

A música como forma de expresión cultural tivo en Cabo Verde a Cesaria Évora como a mellor embaixadora, muller de gran sensibilidade e portadora da alma do seu pais. Ela deixou unha estela que seguiron moitos outros artistas como Tito París, Lura, Ferro Gaita, Sara Tavares ou Mayra Andrade entre outros que continuaron situando este pequeno arquipélago centroafricano no mundo. Un tipo de acción, coa música como protagonista, no que moitas institucións deberían reparar á hora de promocionarse cara o mundo. Cabo Verde é tamén un lugar paradisíaco no oeste do basto continente africano onde prevalece a paz e a tranquilidade.

Foi naquel 2006, que xa semella tan de lonxe, cando desembarquei en Sâo Vicente e respirei un ar tan familiar como o que respiro aquí. Estaba na África insular escoitando falar en galego con xente de raza negra tan acolledora e doce como somos (habitualmente) nós, os galegos. E foi un descubrimento sorprendente! Sentinme un máis ao instante malia saber que estaba separado por uns cantos milleiros de quilómetros de mar da miña casa.

De Sâo Vicente navegamos nun transbordador ata Santo Antâo. Boa parte da viaxe fomos acompañados por peixes voadores que converteron en inesquecible e máis levadío o noso traxecto mariño. Fixemos un percorrido dende o peirao de Porto Novo ata Ribeira Grande atravesando unha desas estradas empedradas que tanto gustan nas culturas lusitanas e que eu respecto, pero que te deixan mallado. E xa alí, dinme conta de que hai lugares no mundo onde podes sentirte como na propia casa.

Este ano, se a pandemia o permite, volverei, gozarei e tentarei que coa nosa música eles tamén se acheguen un pouquiño á nosa cultura e á nosa terra. Cabo Verde é un lugar paradisíaco con xente acolledora e boa. Gosto!»

Cf. La Voz de Galicia

Ernesto Areias: Galego, memória e afeto (I)

Ernesto Salgado Areias

A leitura de um texto do amigo Alfredo Ferreiro, poeta da Corunha, sobre a afirmação do galego, suscitou-me algumas reflexões.

Em 1887, o médico judeu Ludwik Lejzer Zemenhof criou o Esperanto, língua artificial. Não era sua intenção substituir os outros idiomas, mas antes difundir uma língua franca universal de negócios.

Passado um século e meio o Esperanto não vingou, a meu ver, por três razões: 

Em primeiro lugar, não havia memória da língua. A eufonia do Esperanto era estranha aos candidatos a falantes. A segunda razão por não haver literatura em Esperanto, registo fundamental para a preservação lexical. O terceiro obstáculo tem a ver com a identidade, impossível perante uma língua artificial.

Ora nada disto sucede com o galego, língua centenária que está na origem do português moderno.

Parece-me haver um dilema que terá de ser resolvido pelos galegos, Academias, Universidades, Associações de escritores e pelos falantes da língua, que a usam com amor e pilar de identidade.

Um das opções passa por assumir que o galego é língua portuguesa com variações como existem nos países lusófonos. Falamos hoje no português do Brasil, de Angola, de Cabo Verde… a que podemos acrescentar a variante da Galiza. É esta, grosso modo, a visão dos integracionistas. 

Desta forma, o galego, em vez de confinado a 2,7 milhões de falantes, passará a integrar um espaço linguístico intercontinental com 260 milhões distribuídos por dez milhões de kms 2 onde existe literatura vastíssima.

Uma segunda opção será a castelhanização definitiva do galego com o risco evidente de conversão de uma língua centenária, numa espécie dialectal sem a importância que lhe é devida.

 Falar hoje em sentimentos anti-castelhanos ou anti-espanhóis e anti-portugueses na península Ibérica, é descer às profundezas da alta Idade Média e semear os campos de torneios e lutas entre senhores feudais e os seus vassalos. O bom relacionamento entre Espanha e Portugal, a forma como vivemos as crises, os dramas de um lado e de outro da fronteira, as viagens permanentes e o número crescente de falantes bi-lingues, converte os dois países em irmãos siameses ligados por rios, montanhas e o horizonte sem falar das vias de comunicação.

A importância do Galego, enquanto língua riquíssima, irmanada com o português deve ser objeto de estudo de linguistas, historiadores e académicos em geral, sem a traição de decisões políticas de afirmação de soberania. Como a língua não se impõe por decreto, a palavra dos falantes é fundamental.

Mas o estigma e a supressão curricular de uma língua esses sim, conseguem-se por decreto.

Matar uma língua equivale a matar a memória do povo; uma espécie de genocídio da memória e da cultura.

Cf. A Voz de Trás os Montes