Rosalía Fernández Rial: O galego, lingua ártica

«De que maneira o galego, como lingua “subxacente” e “underground”, nos permite comunicarnos con persoas que falan idiomas que xamais estudamos? Como explica o científico “Modelo do dobre iceberg”, é o coñecemento común dos idiomas diferentes o máis interesante para entendernos e para aprender. E é que no espazo subterráneo do alternativo, do poético e do inconsciente reside sempre o máis atractivo da vida. Tanto nun pub nocturno como no mapa lingüístico mundial. Nese senso, a nosa lingua é latente de todas as demais: temos os subsolos conquistados. Rosalía Fernández Rial (Carballo-Muxía, 1988) é licenciada en filoloxía e Doutora en didáctica das linguas, da literatura e da expresión dramática pola USC. Exerce de profesora de lingua e literatura no ensino secundario; participa en diversos proxectos escénicos interdisciplinares e, sobre todo, escribe. Entre os seus libros destacan títulos como En clave de sol (2009), Átonos (2011), Vinte en escena (2012), Un mar de sensacións (2012), Ningún amante sabe conducir (2014), Contracción (2016) ou o proxecto artístico-pedagóxico “Aulas sen paredes” (2016).»

#LGx15. Ideas para o futuro da lingua. Cf. www.lgx15.gal. Sala Capitol, Santiago de Compostela, 24 de novembro de 2016. Coordinadora de Traballadores/as de Normalización da Lingua (CTNL). www.ctnl.gal

Ernesto Areias: Galego, memória e afeto (II)

Ainda sobre a questão do galego, enquanto variante da língua portuguesa, cumpre acrescentar alguns subsídios de ordem pragmática.

Ernesto-Areias
Ernesto-Areias

Foram, até hoje, identificadas no mundo cerca de onze mil línguas, sabendo-se que muitas são faladas por poucos milhares de pessoas, o que as exclui do estudo e investigação em escolas e universidades. Essa falta de estudo prende-se com razões institucionais e de soberania e, de modo particular, com razões económicas em virtude de estarem fora dos negócios internacionais.

Neste mundo global, onde a comunicação e as pessoas circulam a velocidades nunca antes imaginadas, poderá desenhar-se a tendência para que apenas as cerca de vinte línguas mais expressivas, em termos de negócios, sobrevivam chamando a si a quase totalidade dos falantes.

Esses sinais começam na UNESCO, na ONU e em outros organizações internacionais que definem quais as línguas que são admitidas no seu espaço para comunicar. Por essa razão, os estudiosos apontam para o desaparecimento de mais de metade dessas onze mil línguas até ao final do século. 

É neste enquadramento de esperantização das línguas mais expressivas  – designo esperantização a circunstância de reduzirmos as línguas internacionais e de negócios a cerca de duas dezenas –  coloca desafios urgentes às que têm menos  falantes em termos relativos.

É urgente que as universidades, academias e linguístas cheguem a um acordo sobre o destino que pretendem dar ao galego. Entre a pujança que pode resultar da sua afirmação como variante da língua portuguesa e a agonia lenta resultante da castelhanização em curso, alguma decisão deverá ser tomada.

Sobre os linguístas e académicos cumpre assinalar, que lhes sobeja em sabedoria o que falta, não raro, em pragmatismo quando o tempo urge.

Merecem um profundo respeito a obra literária de Rosalia de Castro, a extensa literatura de língua portuguesa e galega, das mais expressivas do mundo e grandes homens que dedicaram muito do seu esforço e estudo à defesa do galego, como sucedeu com José Luis Rodriguez, Carvalho Calejo e muitos escritores e universitários que tudo têm feito pela cultura galega.

Estamos condenados a destruir as fronteiras medievais criadas por senhores feudais ao sabor de interesses e direitos sobre a terra e os vassalos. Da fronteira que divide Trás-os-Montes e o Minho da Galiza apenas deverá restar a soberania dos países peninsulares, devendo tudo o mais resvalar para um abraço de fraternidade, de partilha entre centros de investigação e universidades, mundo empresarial e inovação.

Quando Miguel Torga referiu no seu Diário “Ai do transmontano que não transformar o pé em garra” aludindo às dificuldades, aos declives e às rugas da terra, não deixou de incluir os galegos e os minhotos com quem partilhamos uma ancestralidade comum.

Esta sim, é a nossa pátria antes da pátria.

Cf. A Voz de Trás os Montes

Bieito Romero: Cabo Verde

«No ano 2006 cando coñecín Cabo Verde e dende aqueles días, a súa lembranza quedou fermosamente gravada na miña memoria. Saímos da Coruña en bus ata o aeroporto Francisco Sâ Carneiro de Porto e dende alí voamos ata a illa de Sâo Vicente onde está situado o aeroporto Cesária Évora.

Wikipedia: CC BY-SA 2.1 es

A música como forma de expresión cultural tivo en Cabo Verde a Cesaria Évora como a mellor embaixadora, muller de gran sensibilidade e portadora da alma do seu pais. Ela deixou unha estela que seguiron moitos outros artistas como Tito París, Lura, Ferro Gaita, Sara Tavares ou Mayra Andrade entre outros que continuaron situando este pequeno arquipélago centroafricano no mundo. Un tipo de acción, coa música como protagonista, no que moitas institucións deberían reparar á hora de promocionarse cara o mundo. Cabo Verde é tamén un lugar paradisíaco no oeste do basto continente africano onde prevalece a paz e a tranquilidade.

Foi naquel 2006, que xa semella tan de lonxe, cando desembarquei en Sâo Vicente e respirei un ar tan familiar como o que respiro aquí. Estaba na África insular escoitando falar en galego con xente de raza negra tan acolledora e doce como somos (habitualmente) nós, os galegos. E foi un descubrimento sorprendente! Sentinme un máis ao instante malia saber que estaba separado por uns cantos milleiros de quilómetros de mar da miña casa.

De Sâo Vicente navegamos nun transbordador ata Santo Antâo. Boa parte da viaxe fomos acompañados por peixes voadores que converteron en inesquecible e máis levadío o noso traxecto mariño. Fixemos un percorrido dende o peirao de Porto Novo ata Ribeira Grande atravesando unha desas estradas empedradas que tanto gustan nas culturas lusitanas e que eu respecto, pero que te deixan mallado. E xa alí, dinme conta de que hai lugares no mundo onde podes sentirte como na propia casa.

Este ano, se a pandemia o permite, volverei, gozarei e tentarei que coa nosa música eles tamén se acheguen un pouquiño á nosa cultura e á nosa terra. Cabo Verde é un lugar paradisíaco con xente acolledora e boa. Gosto!»

Cf. La Voz de Galicia

Ernesto Areias: Galego, memória e afeto (I)

Ernesto Salgado Areias

A leitura de um texto do amigo Alfredo Ferreiro, poeta da Corunha, sobre a afirmação do galego, suscitou-me algumas reflexões.

Em 1887, o médico judeu Ludwik Lejzer Zemenhof criou o Esperanto, língua artificial. Não era sua intenção substituir os outros idiomas, mas antes difundir uma língua franca universal de negócios.

Passado um século e meio o Esperanto não vingou, a meu ver, por três razões: 

Em primeiro lugar, não havia memória da língua. A eufonia do Esperanto era estranha aos candidatos a falantes. A segunda razão por não haver literatura em Esperanto, registo fundamental para a preservação lexical. O terceiro obstáculo tem a ver com a identidade, impossível perante uma língua artificial.

Ora nada disto sucede com o galego, língua centenária que está na origem do português moderno.

Parece-me haver um dilema que terá de ser resolvido pelos galegos, Academias, Universidades, Associações de escritores e pelos falantes da língua, que a usam com amor e pilar de identidade.

Um das opções passa por assumir que o galego é língua portuguesa com variações como existem nos países lusófonos. Falamos hoje no português do Brasil, de Angola, de Cabo Verde… a que podemos acrescentar a variante da Galiza. É esta, grosso modo, a visão dos integracionistas. 

Desta forma, o galego, em vez de confinado a 2,7 milhões de falantes, passará a integrar um espaço linguístico intercontinental com 260 milhões distribuídos por dez milhões de kms 2 onde existe literatura vastíssima.

Uma segunda opção será a castelhanização definitiva do galego com o risco evidente de conversão de uma língua centenária, numa espécie dialectal sem a importância que lhe é devida.

 Falar hoje em sentimentos anti-castelhanos ou anti-espanhóis e anti-portugueses na península Ibérica, é descer às profundezas da alta Idade Média e semear os campos de torneios e lutas entre senhores feudais e os seus vassalos. O bom relacionamento entre Espanha e Portugal, a forma como vivemos as crises, os dramas de um lado e de outro da fronteira, as viagens permanentes e o número crescente de falantes bi-lingues, converte os dois países em irmãos siameses ligados por rios, montanhas e o horizonte sem falar das vias de comunicação.

A importância do Galego, enquanto língua riquíssima, irmanada com o português deve ser objeto de estudo de linguistas, historiadores e académicos em geral, sem a traição de decisões políticas de afirmação de soberania. Como a língua não se impõe por decreto, a palavra dos falantes é fundamental.

Mas o estigma e a supressão curricular de uma língua esses sim, conseguem-se por decreto.

Matar uma língua equivale a matar a memória do povo; uma espécie de genocídio da memória e da cultura.

Cf. A Voz de Trás os Montes

Marco Neves: “Falsos amigos galegos (para maiores de 18)”

MARCO NEVES

«Vou dar três exemplos de falsos amigos galego-portugueses. Começo no «labrego», avanço pelo «grelo» e acabo nos perigos que se escondem na palavra «bico»…

Muitos de nós conhecemos as palavras que nos enganam por serem demasiado parecidas. São os falsos amigos. Mesmo dentro de cada língua há muitas armadilhas: basta tentar usar «rapariga» ou «puto» no Brasil, só para dar dois exemplos (e nem me atrevo a falar do «gozar»). Às vezes, até entre regiões do mesmo país há destes desaguisados.

Ora, há um tipo de falsos amigos pouco conhecido por cá. São os falsos amigos galegos. Afinal, o galego é a língua mais próxima do português — havendo muitos galegos que não se importam nada de afirmar, bem alto, que galego e português nem sequer são línguas diferentes. Os palavrões são quase iguais…

Próximos como estão, não há que admirar que haja uns quantos falsos amigos…

«Labrego»

O primeiro falso amigo é muito inocente. Longe de ser para maiores de 18, é para todas as idades. A verdade é que é difícil encontrar portugueses que não se riam quando descobrem que, na Galiza, existe um Sindicato Labrego Galego.

Sim, um labrego, na Galiza, é apenas e só um lavrador. Já um labrego, em Portugal, até pode ser um lavrador — mas também há labregos fechados em escritórios ou vestidos de fato inteiro. Não consta que, por cá, se tenham organizado num sindicato.

A origem da palavra é a mesma — mas as palavras dão guinadas e, de repente, o que é banal em certo sítio é um insulto um pouco mais abaixo…

«Grelo»

A história ficou famosa, pelo menos entre quem liga a estas coisas. O município galego das Pontes promove anualmente um festival do grelo. Nada contra: comer verduras faz bem e um festival deste tipo só pode ser coisa boa.

O festival é coisa em grande, pois até tem um website — compreende-se que o município tenha decidido traduzir o tal website para espanhol a partir do original galego.

Abrande agora o leitor, como fazem tantos condutores ao passar por um acidente. Pois aquilo que aconteceu foi um autêntico acidente de tradução. Com feridos graves!

O nome do festival — ou da feira — era bastante claro em galego: «Feira do grelo».

Já a tradução para espanhol ficou, no website, com este lindo aspecto: «Feria clítoris».

Não contente, o texto continuava: «El clítoris es uno de los productos típicos de la cocina gallega.» — o que, imagino, deve surpreender bastante os peregrinos que chegam a Santiago…

O que se passou?

Bem, o município decidiu poupar na tradução (ah, não faça isso!) e foi ao nosso amigo Google Translate […]».

Cf. 24Sapo