Colexios galegos e portugueses celebran o ‘Día da Radio’ con emisións en directo e programas sobre diversidade

«Este 13 de febreiro celébrase o Día Mundial da Radio. Coincidindo coa conmemoración, colexios galegos e portugueses levan días traballando nas súas emisoras escolares, que culminarán este xoves con emisións en directo, realización de podcasts e outras actividades, que terán como temática central a ‘diversidade’ en todas as súas manifestacións: diversidade cultural, de xénero, de idades ou de nacionalidades.

A asociación cultural Ponte…nas Ondas! impulsa boa parte destas accións, suxerindo actividades para os centros de ensino de unha e outra banda do Miño. Así, como experiencia de radio interescolar multimedia, proponlles ás escolas que expresen a súa diversidade empregando todas as posibilidades que ofrece a radio en todos os seus xéneros xornalísticos, formatos ( audios, podcasts, vídeos…) e transmisións ( FM, radio online, redes sociais…). O portal Escolas nas ondas transmitirá o 13 de febreiro as producións realizadas polas escolas participantes […].»

Cf. Praza

“Ensinar português na Galiza é um desafio e uma oportunidade”

«Xurxo Fernández Carballido, colaborador deste portal, professor de português e de galego para nom falantes do Centro de Línguas Modernas da Universidade de Santiago de Compostela é autor da tese “O ensino da língua portuguesa na Galiza”, cualificada de sobressaliente cum laudem. Trata-se de umha investigaçom em que analisa a presença do português no sistema educativo primário, secundário, bacharelato, nas escolas oficiais de idiomas e no sistema universitário. Também avalia os materiais empregados e a formaçom dos docentes de português como língua estrangeira. Fruto deste trabalho constata as resistências “institucionais e administrativas para promover o português” na Galiza, em contraposiçom com “o esforço” de outros territórios como a Estremadura, e qualifica como deficitária a presença do português no ensino galego […].»

Cf. Entrevista no PGL

Valentim Fagim: “O salto do galego… ao finito e além”

Capa de ‘O Salto’ ©

«[…] Até certa idade, as crianças “conversam” essencialmente com a mãe e o pai mas logo que entram no infantário, outras personagens entram na cena de uma forma quase hegemónica, os seus iguais, os colegas de turma, da escola ou do parque.

Também é verdade que não todas as pessoas são obedientes e cada vez mais progenitores recorrem ao galego do sul e do outro lado do Atlântico para oferecer este lazer audiovisual às suas miúd@s. É um binormativismo popular que não precisa de elites a ecoá-lo, nasce da necessidade e da alegria. As mesmas famílias recorremos a um site maravilhoso como http://aliali.fabaloba.com/ com recursos criados na sua maior parte na Galiza como também pegamos nas dicas internacionais que sugere o site de Apego, http://apego.gal/outros-recursos/. E assim ganhamos tod@s.

Se o nosso foco, realmente, é que a língua da Galiza se transmita às novas gerações, já sabemos muitas cousas que não funcionam. Para mim a mais importante é estrangeirar outras variedades da nossa língua por terem o azar de se falarem fora da Espanha. A iniciativa de Apego incluindo canais brasileiros de desenhos animados deveria ser (se o nosso foco, realmente…), uma faísca de uma nova forma de fazer as cousas onde a ortografia e o sabor da língua seja secundário e a sua utilidade pessoal e social seja prioritário porque, na verdade, não temos muito tempo. A época do mononormativismo deve ficar atrás, polo bem de quase tod@s. 

Ao infinito e além, diz Buzz Lightyear, de Toy Story. Sejamos mais modestos e comecemos pola finitude dos nossos lares e do nosso dia a dia.»

Cf. Praza

O que é o aRi[t]mar ?

«aRi[t]mar galiza e portugal é um projeto didático-cultural, desenvolvido inicialmente pela Escola Oficial de Idiomas de Santiago de Compostela, pertencente à Consellería de Cultura, Educación e Ordenación Universitaria da Xunta de Galicia, que tem por objetivo divulgar a música e a poesia galego-portuguesas atuais, aproximando a cultura e a língua dos dois países, no enquadramento e desenvolvimento da Lei Valentín Paz-Andrade para o aproveitamento do ensino do português e vínculos com a Lusofonia.

Com a organização da Equipa de Dinamização da Língua Galega e os departamentos de galego e de português do centro, ao longo do ano letivo trabalhamos de forma didática os textos e as músicas com os nossos alunos e, posteriormente, são escolhidas mediante votação online as melhores canções e poesias editadas na Galiza e na Portugal no ano anterior.

O certame consta de quatro categorias:

  • Melhor tema musical galego
  • Melhor tema musical português
  • Melhor poema galego
  • Melhor poema português 

O desfecho chega em outubro, mês em que se realiza uma Gala de prémios com atuações e intervenções das e dos galardoados, no Teatro Principal de Santiago de Compostela. Esta gala conta com o patrocínio das secretarias gerais de Cultura e de Política Lingüística da Xunta de Galicia, da Deputación Provincial da Coruña, do Concello de Santiago, do Instituto Camões e do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Galiza-Norte de Portugal.

Temos constatado que esta iniciativa está a ter muito bom acolhimento, não apenas entre os nossos alunos e professores, mas também entre o público em geral, quer de Portugal quer da Galiza. Ela contribui para os nossos estudantes aprenderem galego e português, com a motivação acrescentada de trabalharem também com a música e a poesia e a rima e o ritmo. Por isso, decidimos partilhá-la, dirigindo-nos a outros centros de ensino em que, além de galego, se ensina (em) português, ou onde a música e/ou literatura são centrais na oferta académica.

Por isso, além das comunidades educativas e sociais da Escola Oficial de Idiomas de Santiago de Compostela, ​também ​participam e colaboram neste projeto as da Facultade de Filolo​xi​a da Universidade de Santiago de Compostela,​ Conservat​o​rio Profe​sional de Música de Santiago de Compostela, Escola Oficial de Idiomas de Lugo, Escola Oficial de Idiomas de Pontevedra, Centro Cultural Portugu​ê​s de Vigo-Instituto Camões, e os centros do Ensino Português pelo Camões na Galiza: IES Arcebispo Xelmirez I (Santiago de Compostela), IES Félix Muriel (Rianjo), IES de Valga, IES Valadares (Vigo), IES Politécnico (Vigo), IES A Sangriña (Guarda), CEIP Mariñamansa (Ourense), CEIP Manuel Luís Acuña (Ourense), CEIP Oimbra e CEIP Princesa de España (Verim), e o Instituto de Ensino Secundario de Cacheiras (Teo).  Para além disso, depois de assinarem um protocolo de colaboração a Consellería de Cultura, Educación e Ordenación Universitaria e mais a Compañía da Radio e a Televisión de Galicia (CRTVG), esta última difunde através dos seus meios os conteúdos audiovisuais do certame, com especial destaque para os temas musicais finalistas e ganhadores correspondentes à Galiza e a Portugal.»

Cf. aritmar

Conclusións do III Congreso de Estudos Internacionais de Galicia “Galicia e a lusofonía diante dos desafíos globais”

«Galiza e a Lusofonia perante os desafios globais”

Ponte Vedra, 27 e 28 de março de 2019

1. Num mundo cada vez mais globalizado e interconectado, as relações históricas da Galiza com Portugal e os territórios intercontinentais de língua oficial portuguesa, situam-nos ante uma oportunidade histórica para a paradiplomacia e ação internacional galega. Os desafios globais do século XXI encontram na nossa língua, e na nossa identidade, ferramentas com capacidade de retorno e criação de oportunidades para a nossa sociedade.

2. Existe uma relação cada vez mais indivisível entre linguagem, economia e comunicação. A interação da linguagem dentro das relações económicas e culturais permite a fluidez da cooperação e o desenvolvimento de projetos conjuntos, sendo um elemento facilitador. A Galiza e o mundo lusófono têm esta vantagem comparativa. A lingua é, portanto, um ativo para as relações comerciais e económicas no mundo de hoje. O III Congresso de Estudos Internacionais da Galiza achegou-se a estas perspetivas com o objetivo de promover uma visão integral.

Continuar lendo “Conclusións do III Congreso de Estudos Internacionais de Galicia “Galicia e a lusofonía diante dos desafíos globais””